O ECAD, na defesa de centenas de milhares de compositores, cantores e músicos brasileiros move ações judiciais de cobrança de direitos autorais contra alguns poderosos conglomerados de comunicação, empresas prestadoras de serviços de televisão por assinatura, provedores de conteúdo e diversos tipos de usuários de música.

Ao longo deste ano de 2011 estamos sendo vítimas de diversas matérias jornalísticas tendenciosas, visando desmoralizar a imagem da instituição. Quando somos ouvidos, temos que fazê-lo premidos pelo curto espaço de tempo, sendo que nossas ponderações nunca são consideradas com o mesmo destaque das acusações em questão. O teor das matérias tem tido o claro intuito de levar ao descrédito a entidade diante da opinião pública.

Fomos procurados pela Revista Época há duas semanas sob o argumento de que o veículo (Editora Globo) gostaria de fazer uma matéria informativa, como a já feita pelo jornal Folha de São Paulo, cujo intuito era mostrar o trabalho do Ecad, seus critérios de arrecadação, distribuição, etc. Abrimos nossas portas para os jornalistas Leopoldo Mateus e Nelito Fernandes, que ficaram durante cerca de três horas conversando com alguns de nossos executivos sobre os processos e regras que permeiam o nosso trabalho.

Fomos surpreendidos esta semana com uma série de perguntas relacionadas a denúncias que envolviam ex-funcionários e associações que não mais fazem parte do sistema de gestão coletiva, onde tivemos menos de 24 horas para nos posicionarmos.

Por esse motivo, optamos por mais uma vez agir com transparência, apresentando na íntegra todas as perguntas feitas pela revista e o conteúdo integral de nossas respostas, as quais nem todas foram consideradas da mesma forma como enviadas.

Outras questões levantadas na matéria e que não haviam sido questionadas anteriormente serão postadas em breve no nosso hot site.